Páginas

terça-feira, 25 de abril de 2017

Arquiteto Paulo Ormindo critica projeto do BRT em Salvador







http://metro1.com.br/noticias/cidade/34478,arquiteto-paulo-ormindo-critica-projeto-do-brt-em-salvador-solucao-ultrapassada.html [25/4/2017 às 8:40]

Empresa que criou o BRT é ligada à Odebrecht

Às 15:13 do dia 24 de abril de 2017 a página de internet Metro 1, ligada ao grupo Metrópole de Comunicação, publicou uma informação que muitas pessoas já sabiam: "A empresa que criou o BRT é ligada à Odebrecht". Três horas depois a notícia foi apagada, exatamente ao estilo do escritor George Orwell em seu fabuloso livro 1984 quando retrata que a história é apagada, exterminada, vaporizada, como lá dito, como se o fato, as pessoas e as empresas nunca tivessem existido. 
O que ocorreu nos bastidores de uma empresa de comunicação no lapso de tempo de três horas entre a publicação e a retirada de uma notícia que relaciona um projeto de corredor de ônibus indesejado por quem sabe da sua inutilidade porque ônibus velho não concorre com Metrô moderno, com o astronômico custo justificado pela imensa quantidade de cimento a ser utilizado, com os danos ambientais e estéticos, com uma construtora que tem seu nome associado à corrupção e caixa dois de campanhas eleitorais, e um prefeito citado por práticas ilegais nas delações dos dirigentes da Odebrecht?
O que podemos constatar de imediato é que onde havia uma notícia absurdamente negativa contra a moralidade na gestão da Prefeitura de Salvador passou a existir propaganda da "Nova Lapa". Uma simples troca... pequeno detalhe...
Mas se estivéssemos vivendo o mundo descrito no livro 1984, esta história teria sido vaporizada, apagada completamente, inclusive os quatro leitores que fizeram comentários também teriam sido desaparecidos, com todos os seus comentários apagados, inclusive aqueles que nada tem a ver com este podre assunto, como se nunca tivessem nascido para que não restassem testemunhas. Mas estamos em 2017 e existem movimentos sociais como o "Salvador Sobre Trilhos" que encontrou no Google o registro do fato: caiu na rede é peixe! Só resta a apresentação da prova do crime, quem sabe assim o Metro 1 "desapaga" a história e restabelece a notícia. E que fique a lição! 


  http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:-w8JwQQH5bIJ:metro1.com.br/noticias/cidade/34452,empresa-que-criou-projeto-do-brt-e-ligada-a-odebrecht-semob-diz-desconhecer-autoria.html+&cd=1&hl=es&ct=clnk&gl=br   [Em 25/4/2017 às 1:14]





http://metro1.com.br/noticias/cidade/34452,empresa-que-criou-projeto-do-brt-e-ligada-a-odebrecht-semob-diz-desconhecer-autoria.html [Em 25/4/2017 às 1:16]

domingo, 23 de abril de 2017

Em urbanismo "menos é mais"


A Prefeitura de Salvador segue em sua tendência de usar e abusar do cimento. A ideia do momento é a construção do BRT (corredor de ônibus) Lapa Iguatemi, uma obra totalmente desnecessária para a cidade, mas muito necessária para construtoras e outros interessados ganharem muito dinheiro. O projeto é tão absurdo que consegue unir em um único bloco de indignados os grandes arquitetos da cidade que tem conhecimento do que foi projetado unicamente como capricho para competir com o moderno Metrô que faz o mesmo percurso, como se houvesse quem fosse suficientemente louco de preferir se deslocar em desconfortáveis ônibus a viajar em confortáveis vagões do Metrô. 
No texto abaixo o respeitadíssimo professor e arquiteto Paulo Ormindo ressalta o absurdo da insistência da Prefeitura de Salvador em licitar - contra todas as vontades dos entendidos do assunto - o famigerado corredor de ônibus, com a construção de 12 viadutos em que não somente ônibus transitarão, mas também carros, carros e mais carros. 
Pelo visto, o que está prevista é uma construção muito robusta, com seu gigantesco custo, incentivando o transporte individual de carros, provocando um desastre ambiental e estético, com equipamento inadequado (ônibus) para uma cidade do porte de Salvador, hoje e no futuro, com pouca durabilidade, e sem resultado efetivo para a melhoria da mobilidade urbana. 


domingo, 10 de maio de 2015

BRT Lapa - Iguatemi

video

A Prefeitura de Salvador, agora na gestão de acm neto, insiste em equipar a cidade de Salvador de uma modalidade de transporte ultrapassada, baseada em ônibus como estrela principal, com a construção de inúmeros viadutos, fechamento de rios, destruição da natureza, e um absurdo valor cobrado de R$ 1 bilhão para um projeto que prima em construir viadutos por todo o percurso somente para justificar o dinheiro que sairá dos cofres públicos. 

Vídeo no Youtube 

domingo, 17 de junho de 2012

Muita propaganda, poucas verdades

A Prefeitura de Salvador, comandada por João Henrique Carneiro, o pior prefeito que Salvador já teve, investiu pesado em propaganda em um encarte do Jornal A Tarde deste domingo, 17 de junho. Nesta propaganda vemos a cidade de Salvador que gostaríamos de ter, mas que a incompetente gestão municipal tem nos privado. Até o nome que a revista deu ao selo da capa e ao topo das páginas diz tudo: projeto especial de marketing. 


Veja este texto e faça um esforço para acreditar, é tudo verdade: "...dos bairros abastados ao subúrbio. O que serve para um, serve para o outro. O asfalto, a iluminação, as praças, o modelo de segurança e todas as iniciativas válidas não diferem." Viu como é verdade: João Henrique fez diferente e tratou as áreas nobres da cidade da mesma forma que o subúrbio sempre foi tratado e assim igualou o caos por toda a cidade. 


 Ao virar a página vislumbra-se o desejo de João Henrique, das construtoras e dos empresários de ônibus em cometer um crime contra a cidade de Salvador: acabar com o parque de Pituaçu com uma estrada passando por cima da lagoa. Sem comentários! 


Quando trata da mobilidade urbana não apresentam fotografias de ônibus superlotado, pontos de ônibus empilhados de gente e engarrafamento. Tudo parece um sonho, tipo fotografia tirada em dia de São João quando os soteropolitanos viajam para o interior e deixam a cidade vazia. Entre muitas ações ditas como realizadas está o alargamento das faixas de circulação de veículos que na prática significa redução dos canteiros centrais e do pouco verde que há na cidade. Mas quando cita o Metrô é tudo tão hilário que de tão ridículo dá vontade de rir, uma verdadeira obra científica. Como se não bastasse gastar R$ 30.000.000,000 ( trinta milhões) com um pseudo-teste que, na verdade será propaganda eleitoral apenas durante as eleições, percebe-se o esforço do marqueteiro ou jornalista de ficção científica para comprarar o metrinho de Salvador aos de Rio de Janeiro e de São Paulo, vangloriando-se de que será maior da nossa miséria: "O metrô de Salvador inicia a sua operação (sic), com um trecho que se iguala, e até mesmo supera, o de todas as grandes cidades do mundo (puta que pariu! Nota do redator). Só como exemplo, o de São Paulo foi inaugurado em 1974, com extensão de 7km. Cinco anos depois, o do Rio de Janeiro, foi inaugurado com 4,5km." É MUITA MEDIOCRIDADE, JOÃO HENRIQUE!

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Mais dinheiro para corrupção






O índice mais marcante do mês até aqui foram os R$ 75 bilhões arrecadados pela Receita Federal no mês passado, R$ 5 bilhões a mais do que em setembro de 2010.
Aliás, pelo desempenho, com resultados facilmente mensuráveis, a Receita é o órgão federal mais competente dos últimos anos.
Recorde atrás de recorde.
A economia pode estar desacelerando, mas o crescimento da arrecadação em 2011 será de chineses 11%, segundo estimativa conservadora da competente Receita Federal.
Com a ajuda da Vale (que desistiu de apelar em disputa tributária com a União e pagou R$ 5,8 bilhões em julho), o ano deve fechar em R$ 935 bilhões arrecadados.
Inapelavelmente, o sucesso da Receita significa menos dinheiro no seu bolso. Mas para os políticos é uma bonança de proporções maracanescas. Em todas as esferas. E longe de terminar.
O novo desenvolvimento brasileiro traz um processo crescente e benigno de formalização da economia que significa também maior tributação da economia.
Além disso, a fiscalização aumentou com a tecnologia, e tributar passou a ser uma arma cada vez mais usada como instrumento de governo, dada a passividade com que o brasileiro se deixa taxar.
Com o caixa cheio, os governantes têm oportunidades históricas de melhorar os serviços públicos e estimular o desenvolvimento. E de poupar, reduzir dívidas.
Ou, pensando fora da caixa (ou da jaula do Leão), de taxar menos trabalhadores e empresas, deixando mais recursos para consumo, investimento e poupança privados.
O que é melhor?
Enquanto nos EUA a discussão sobre os impostos domina o debate político e eleitoral, no Brasil o assunto é um não-assunto, ajudado pela falsa complexidade do tema.
O pior é que, muito brasileiramente, há um consenso de que a reforma tributária é indispensável, mas ninguém faz nada.
De tão óbvia e obrigatória, o Congresso processa desde FHC propostas ambiciosas que depois se transformam em monstrengos, apodrecem naturalmente e vão para o lixo sem comoção.
Esse fracasso retumbante de se realizar o óbvio mostra os limites do sistema político brasileiro, a incapacidade de avanços mais complexos.
Conseguimos até aqui garantir um processo eleitoral eficiente e um Legislativo capaz de aprovar leis. É muito se comparado ao lugar de onde viemos, mas pouco para o lugar onde vamos.
Falta a política mais inteligente e eficaz, que não se escore somente no nosso bolso para governar.
Os governos estão ficando viciados em Receita. Como todo vício, a cura será difícil. E muito custosa.
Fonte: Folha


Veja outras postagens interessantes

O pior prefeito que Salvador já teve



Veja outras postagens interessantes

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Se atropelar alguém, paga-se a fiança e sai

A lei seca não tem valor nenhum. Os irresponsáveis do volante chamam os deputados e senadores de babacas e à sociedade de otários. 


                                                  Veja este vídeo!

É tanto dinheiro saindo pelo ladrão!


O pessoal da Prefeitura de Salvador tem uma ânsia impressionante por mais dinheiro para gastar no inacabado e adolescente (12 anos) Metrô de Salvador sem demonstrar a mesma avareza com o desejo que ele funcione. Além disso, quer gastar milhões em milhões para implantar um tal de BRT que chegará atá a Pituba. Ora, João Henrique Carneiro, sem gastar um centavo é possível criar a via exclusiva de ônibus no asfalto já existente, é só querer fazer sem gastar o dinheiro da sociedade. Mas se for assim não vale para este tipo de gente, é preciso gastar!



"A Prefeitura de Salvador está tentando conseguir mais dinheiro do governo federal para as obras do metrô e outros itens de mobilidade urbana na capital baiana, garantiu o chefe da Casa Civil, João Leão, do Rio de Janeiro (RJ), onde, informou, consolidava, com a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), a liberação de R$ 41 milhões para conclusão das obras do primeiro tramo do metrô (Estação da Lapa até Estação Acesso Norte, na Rótula do Abacaxi) e R$ 35 milhões para os trens do subúrbio, incluindo a ponte sobre o Rio São João.
Segundo ele, os R$ 76 milhões deverão chegar à Companhia de Trens de Salvador (CTS, estatal municipal) já na próxima semana – mas esse recurso já estava dentro da programação.
PAC Mobilidade -  A prefeitura tenta agora negociar uma complementação de mais R$ 600 milhões no âmbito do PAC Mobilidade Urbana, e outros R$ 400 milhões a serem levantados, por empréstimo, junto ao Ministério das Cidades via Caixa Econômica Federal (CEF): o assunto será tratado hoje de manhã em Brasília por Leão e pelo secretário municipal de Infraestrutura, José Matos, com o ministro Mário Negromonte.
“Se conseguirmos mais R$ 600 milhões no PAC Mobilidade Urbana, Salvador ficará com uma fatia de R$ 3 bilhões, ou seja, 10% dos R$ 30 bilhões que estão previstos para capitais do País inteiro”, explica Leão. Os R$ 30 bilhões a serem investidos em mobilidade foram reiterados ontem de manhã por Dilma Rousseff em entrevista ao programa Café com a Presidenta.
Salvador tem até agora previsão de receber R$ 2,4 bilhões, a maior parte para ser aplicada no novo trecho do metrô, que vai do aeroporto (Lauro de Freitas) até a Estação Bonocô.
De acordo com João Leão, no mês passado foram repassados pelo governo federal R$ 22 milhões para a conclusão do primeiro trecho do metrô (uma obra iniciada em 1999), e foram empenhados outros R$ 245 milhões a serem investidos no início do segundo trecho (Estação Acesso Norte até Pirajá).
Mais dinheiro - Outros R$ 315 milhões para o segundo trecho têm previsão de serem liberados no próximo ano. Para a finalização do primeiro trecho, observa Leão, faltam ainda duas parcelas: uma de R$ 105 milhões, para conclusão da Estação Acesso Norte, e outros serviços, e outra de R$ 42 milhões, para aquisição de ferramentas e material de operação do metrô.
Dentro da programação esperada pela prefeitura, o governo federal ainda tem a liberar R$ 1,6 bilhão para o metrô da Paralela, R$ 150 mi para os trens do subúrbio, R$ 415 mi para o BRT (Bus Rapid Transit) que passará pela Pituba, e outros R$ 130 mi para construção da Av. 29 de Março, um novo acesso ligando Cajazeiras à BR-324, passando pela rota do metrô e Itapuã.
Fonte: A Tarde

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

A rapidez do Judiciário e a ânsia em gastar




Três médicos acusados de retirar rins de pacientes como parte de um esquema de tráfico de órgãos há 24 anos serão julgados a partir da manhã desta segunda-feira em Taubaté, no Vale do Paraíba, interior de São Paulo. O caso foi denunciado no que é hoje o Hospital Regional da cidade, no ano de 1986.
O júri, que tem previstos entre três e quatro dias de duração, terá dez testemunhas de acusação, seis de defesa e uma de juízo. Os médicos, que negam as acusações, serão interrogados. Mais de vinte pessoas foram arroladas como juradas, mas sete decidirão se os réus são culpados ou inocentes pelo homicídio dos pacientes para a retirada dos rins.
A denúncia do Ministério Público à Justiça relata que o neurocirurgião Mariano Fiore Júnior, o urologista Rui Noronha Sacramento, e o nefrologista Pedro Henrique Masjuan Torrecillas forjaram atestados de óbito de pacientes ainda vivos, informando que eles estavam com morte cerebral para obter o consentimento das famílias para a extração dos rins para transplante. Uma testemunha é uma enfermeira que relata que os pacientes sentiam dor durante a retirada dos rins.
O destino dos órgãos seriam clínicas particulares da capital, o que não teve comprovação do inquérito, cuja conclusão demorou 11 anos após a instalação do procedimento legal. Ao todo 100 pessoas, entre familiares e amigos de vítimas e de réus, jornalistas e público em geral poderão acompanhar o júri desta semana.


Fonte: Terra

Carrinho de Compras

Lucas Marchesini
Do Contas Abertas
A segurança pública preocupa o Supremo Tribunal Federal (STF). Por isso, o órgão alugou durante 120 dias um Ford Fusion blindado para ser usado em São Paulo. O serviço custou R$ 53 mil, R$ 435 por dia. A soma, que irá direto para a conta da Max 3 Locação de Veículos, não inclui motorista. Além disso, a corte constitucional brasileira contratou a Empresa Pernambucana de Rastreamento para que 55 veículos possam ser seguidos via satélite (GPS). O serviço custou R$ 29 mil e foi pago no dia sete de outubro.

Já o que tira o sono do Senado, ao que parece, é a qualidade das camas à disposição. Mas o problema já foi resolvido.  Entre o dia sete e 11 de outubro, a casa comprou 35 camas Box, todas com colchão de mola. Elas custaram R$ 42 mil no total, 15 delas são de solteiro com cama auxiliar e as outras 20 de casal. Além disso, 10 colchões (5 de solteiro e 5 de casal) custaram perto de R$ 3 mil.

As compras do órgão não pararam por aí. A Casa adquiriu 190 televisores de diversos modelos e o mesmo número de suportes compatíveis com os equipamentos por R$ 317 mil. Destaque para os 81 aparelhos Full HD de 32 polegadas que ao todo ficaram por quase R$ 103 mil. Outros R$ 68 mil foram reservados para 20 televisões de 55 polegadas, também Full HD. Para garantir a diversão, 20 aparelhos de DVD foram adquiridos por R$ 2 mil.

E para quem acha que as coisas andam meio paradas por lá, disposições foram tomadas. O Senado comprou 16 circuladores de ar que devem resolver o problema, ao custo total de R$ 3,2 mil, cerca de R$ 199 a unidade. O equipamento serve para todos os gostos, já que tem três velocidades disponíveis.

Já a Câmara dos Deputados preferiu investir em outro cômodo da Casa e comprou um forno elétrico para a Residência Oficial, que custou R$ 667 ao erário. Além disso, a Casa recebeu o presidente do parlamento húngaro e sua comitiva, que ficaram em um hotel cinco estrelas da capital federal. As quatro diárias custaram R$ 2,7 mil. Além disso, o órgão pagou mais R$ 30 mil para diárias em Brasília, no Rio de Janeiro e em São Paulo. Todas em hotéis quatro ou cinco estrelas.

Confira aqui as notas de empenho da semana

*Vale ressaltar que, a princípio, não existe nenhuma ilegalidade nem irregularidade neste tipo de gasto feito pela União e que o eventual cancelamento de tais empenhos certamente não ajudaria, por exemplo, na manutenção do superávit do governo ou em uma redução significativa de despesas. A intenção de publicar essas aquisições é popularizar a discussão em torno dos gastos públicos junto ao cidadão comum, no intuito de aumentar a transparência e o controle social, além de mostrar que a Administração Pública também possui, além de contas complexas, despesas curiosas.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Palavra de Joãos

O chefe da Casa Civil de Salvador, João Leão (PP), voltou entusiasmado de sua última viagem à Brasília. O braço direito do prefeito João Henrique comemorou o empenho de recursos para a finalização da primeira etapa do metrô. De acordo com ele, em dezembro deste ano os seis quilômetros que ligarão a Estação da Lapa ao Acesso Norte serão entregues à população.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

O peso dos impostos no Brasil




De janeiro a setembro deste ano, os argentinos compraram 48.673 unidades de Gol, que no país vizinho também ocupa o topo da lista de preferências. A diferença fica no preço. Enquanto aqui o modelo é vendido a partir de R$ 26.450, na Argentina o carro sai por R$ 18.248 (após conversão do preço em pesos).

A diferença de preços também existe para o carro da General Motors (GM). No Brasil o veículo é vendido a partir de R$ 28.514, enquanto na Argentina, por R$ 19.497.

Confira os preços dos carros na Argentina:
Volkswagen Gol - R$ 18.248 
Chevrolet Classic - R$ 19.497 
Peugeot 207 - R$ 22.088
Renault Sandero - R$ 26.344 
Ford Ecosport - R$ 32.317 
Volkswagen Suran - R$ 38.545
Volkswagen Bora - R$ 37.023
Toyota Hilux - R$ 49.798
Chevrolet Aveo - R$ 19.497
Chevrolet Agile - R$ 25.654
Renault Clio - R$ 21.324
Ford Focus II - R$ 36.196
Fiat Siena - R$ 22.409 
Ford Ka - R$ 20.104
Fiat Palio - R$ 20.561
Volkswagen Voyage - R$ 23.389
Volkswagen Amarok - R$ 53.750 
Fiat Uno 2010 - R$ 15.702 
Ford Ranger - R$ 37.392
Volkswagen Fox - R$ 26.389
Fonte: Terra

Postagens populares